• Eali

Contaminação na linha de produção: como evitar?



Uma das preocupações na linha de produção de uma indústria alimentícia é certificar que a qualidade do produto final atenda às imposições legais e do consumidor. Para isso, é necessário seguir as especificações de segurança alimentar, ou seja, o alimento não deve apresentar qualquer sinal de contaminação, seja esta química, física ou biológica. Caso contrário, além do risco da saúde de milhares de pessoas, a indústria tem perdas de produção e de publicidade, problemas com consumidores e desvalorização no mercado, o que levam a grandes prejuízos.


Contaminação microbiológica:

A contaminação microbiológica é a mais conhecida, por ser também a mais recorrente. A contaminação por microrganismos patógenos é responsável por problemas de saúde pública, como a intoxicação alimentar. Essa é causada pela ingestão de alimentos contaminados por bactérias, bolores, leveduras e vírus. Já a contaminação por microrganismos deteriorantes afeta características como sabor, aroma e textura, o que torna o alimento inapropriado para consumo.


As suas principais causas são:


● Uso de água contaminada;

● A higienização inadequada dos equipamentos e também dos manipuladores;

● Tratamentos térmicos ineficazes para a morte microbiana;

● Matéria-prima já contaminada.



Contaminação química:

Os contaminantes químicos dos alimentos podem ter origem natural ou podem ser adicionados durante a fabricação. Em altos níveis de ingestão, são associados a

casos graves de toxinfecção alimentar; já em menores quantidades, são responsáveis pela ocorrência de doenças crônicas.

Eles chegam ao consumidor por via direta do alimento, como em carnes, que tem a chance de conter antibióticos, e em vegetais, que eventualmente contém agrotóxicos e pesticidas. Ou então por via indireta, através de produtos de limpeza e sanitizantes que não foram removidos das tubulações satisfatoriamente no final da higienização.



Contaminação física:

É a contaminação através da ocorrência a presença de pelos de roedores, fragmentos de insetos, lascas de madeira e borracha, pedras e parafusos, entre outros objetos nos alimentos.

Tendo conhecimento das possíveis formas de contaminação, é possível estabelecer algumas medidas para evitar que elas ocorram. Entre elas, estão:


Higienização dos equipamentos: Manter a limpeza em dia e em boas condições é essencial para evitar o acúmulo de resíduos e crescimento de fungos nas tubulações.


Aplicação das Boas Práticas de Fabricação (BPF’s): O manual das BPF’s é um documento personalizado de cada empresa que contém os procedimentos de controle para cada etapa do processamento. O manual auxilia na correção do possível comportamento incorreto dos manipuladores, de instalações inadequadas e da higienização precária do local que podem resultar em surtos alimentares. Assim, contribui como medida preventiva contra pragas, microrganismos e outros agentes indesejáveis para a segurança e qualidade do produto.


Uso de desinfetantes seguros: É importante a utilização de desinfetantes que sejam facilmente enxaguados e não tóxicos, para evitar o consumo de substâncias prejudiciais ao organismo.


Avaliação a qualidade da água: Através de análises físico-químicas, é possível avaliar a sua qualidade, visto que pode servir de veículo para qualquer das três contaminações.


Lavagem adequada dos alimentos: Para assegurar a menor quantidade de contaminante orgânico presente, fazer a lavagem correta do alimento com solução de bicarbonato de sódio é uma boa opção.


Controle da proliferação microbiana nos alimentos: Através de tratamentos térmicos eficazes, refrigeração, conservantes, acidificação garante-se a inativação dos microrganismos naturalmente presentes.


Uso de matéria-prima de qualidade: Uma matéria-prima já contaminada dificulta muito a obtenção de um produto final seguro. Assim, é fundamental utilizar uma matéria-prima de confiança e de qualidade.


Vem enfrentando problemas de contaminação na sua linha de produção, ou quer se certificar que o seu estabelecimento ou indústria está dentro da legislação? Nós podemos te ajudar! Entre em contato.

Prestamos consultoria em engenharia de alimentos com apoio de professores e laboratórios da UFRGS

Saiba como podemos te ajudar:

Não sabe exatamente do que precisa? 

A Eali é uma empresa júnior de consultoria em engenharia de alimentos da UFRGS.

A Empresa

Av. Bento Gonçalves, 9500
90540-000 Porto Alegre, Rio Grande do Sul

(51) 9741 5959

Copyright 2018 © EALI. Todos os direitos reservados.